O PRECAVVIDA começou na casa da fundadora, no bairro São Brás em Curitiba, em agosto de 1992. Por ser uma pessoa que temia a Deus, ela começou a sentir necessidade de ajudar as pessoas que são discriminadas ou marginalizadas pela: sociedade, famílias ou até pelas igrejas. Com as abordagens feitas com estas pessoas foi se descobrindo o valor de cada um, aprendendo com eles, cada necessidade apresentada, como: Apoio emocional, Físico e social, para após isso resgatar a sua vida espiritual.

Iniciou-se então os trabalhos em favelas, nas praças, nos presídios, nos hospitais, com visitas domiciliares, com palestras de prevenção nas escolas, igrejas, instituições. Também foi colocado o telefone à disposição do CVV (centro de valorização da vida) para divulgação, com intuito de ajudar as pessoas que procuravam ajuda, por diversos motivos como: depressão, suicídio, dependência química, resultado soropositivo HIV e outras necessidades em questão. Em 1995 foi aprovado o primeiro projeto financiado pelo Ministério da Saúde para trabalhos nas favelas e com a população de rua, mas era necessário que a instituição tivesse uma sede. Foi então alugado um imóvel na Rua Augusto Stellfeld em Curitiba.

Em 1997 este imóvel ficou pequeno, pois sentimos a necessidade de abrigar as pessoas que precisavam de apoio para tratamento da dependência química, e não conseguiam deixar das drogas ou do álcool e fazer tratamento para o HIV/AIDS, sem acompanhamento intensivo, e foi alugado outro imóvel na Rua Sant’ana 412- Jardim Botânico.

Continuamos com outros projetos financiados pelo Ministério da Saúde, com trabalhos nas ruas e favelas e abrimos um Centro dia na Parte inferior no imóvel atual, onde recebíamos em média 30 pessoas de rua diariamente, e com a casa de apoio na parte superior. O Centro dia foi financiado por um ano, mas continuamos por mais um ano sem financiamento, sempre dependendo de pessoas voluntárias. Este trabalho parou por falta de pessoas disponíveis a dar continuidade aos trabalhos antes iniciados. Foi então que ficamos apenas com os trabalhos da casa de apoio, com os aconselhamentos e algumas visitas. Em 2012 estamos resgatando os trabalhos de visitas domiciliares, hospitalar, trabalho com a população de rua, e palestras de prevenção de DST/HIV/AIDS, drogas, e hepatites, contando com pessoas voluntárias que tem temor a Deus, e sentem necessidade de ajudar o próximo.